close
logorovivo2

Mercado de saúde animal deve ter crescimento de 7% a 8% neste ano

Com a recuperação da economia, o consumo de proteínas aumenta, elevando a demanda por produtos do setor, mas a suspensão da imunização contra febre aftosa preocupa as empresas

PORTALDOAGRONEGOCIO

10 de Março de 2018 às 10:31

Mercado de saúde animal deve ter crescimento de 7% a 8% neste ano

FOTO: (Divulgação)

A recuperação da economia e o consequente aumento do consumo de proteína animal devem fazer com que a indústria de produtos de saúde animal cresça de 7% a 8% em 2018. O setor movimentou R$ 5 bilhões em 2017, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan).

 

“Quando há uma melhora da economia, imediatamente há um aumento do consumo de proteína”, afirma o vice-presidente executivo do Sindan, Emílio Salani.

 

Caso a perspectiva se confirme, o setor movimentará R$ 5,4 bilhões neste ano. “Não é um crescimento de dois dígitos, mas pode ser uma injeção de ânimo para o setor”, avalia o dirigente.

 

Segundo ele, três das cinco principais companhias do setor devem divulgar seus resultados ao mercado na próxima semana. Ontem, a Ourofino reportou receita de R$ 505,3 milhões em 2017, aumento de 13,7% em relação ao ano anterior. Somente a área de aves, bovinos e suínos de produção da companhia faturou R$ 397,7 milhões, alta de 10,6%.

 

Ainda assim, Salani espera que o resultado consolidado de 2017 no setor repita os R$ 5 bilhões de 2016.

 

O ano passado foi marcado pela primeira etapa da operação Carne Fraca, que fechou mercados para exportação em um momento de crise no setor interno. Outro agravante foi a suspensão das exportações de carne bovina do Brasil “in natura” aos Estados Unidos apenas um ano após os norte-americanos terem dado início à importação do produto brasileiro. O País levou mais de uma década para conseguir abrir essa porta.

 

A ocorrência de abscessos em cortes enviados aos EUA, atribuídos a resíduos de vacina contra o vírus da febre aftosa, motivou a decisão e gerou debate e mudanças no segmento. “Foi um período difícil e de questionamento da vacina. De repente, todo mundo era especialista nesse assunto”, lembra o dirigente.

 

Ele não acredita, contudo, que a vacina – que responde por 6% a 7% do mercado de saúde animal – possa ser responsabilizada sozinha pela estagnação do mercado. “Considerando-se que foi um ano de crise, repetir o resultado do ano anterior já é importante.”

 

Na tentativa de reabrir o mercado norte-americano, o Ministério da Agricultura (Mapa) decidiu reduzir a dose da vacina de 5 ml para 2,5 ml e permitiu a retirada facultativa da saponina – substância que aumenta a resposta imune – da fórmula do produto. As novas doses passarão a ser administradas no rebanho bovino brasileiro em 2019. “As vacinas estão em análise e não sabemos se serão aprovadas”, afirma Salani. Segundo ele, 90 milhões de doses estão nas mãos do governo para avaliação.

 

Aftosa

 

No ano que vem, o setor terá pela frente o começo do processo de retirada da vacinação contra a doença no Brasil. A obrigatoriedade da aplicação das doses tem sido um alicerce importante para o segmento.

 

“O Sindan entende que este não é o momento adequado para esse movimento. Seria mais prudente dar início a esse processo em 2021 e não em 2019, como o governo pretende”, afirma Salani. Ele argumenta que o benefício da retirada da vacina é pequeno perto do risco de novos focos da doença.

 

Se o governo seguir o cronograma previsto, os primeiros estados a suspender a vacinação serão Rondônia e Acre. Salani calcula que, juntos, os estados demandem 24 milhões de doses, de um total de 330 milhões. “É um impacto pequeno e localizado”, diz. O Brasil tem um rebanho de 220 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos.

 

Ele espera um impacto mais significativo para o mercado quando a suspensão alcançar estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País, o que deve ocorrer até 2021. “Quando chegarmos nesse ponto, será preciso interromper a produção”, afirma.

 

Dois desses estados, Rio Grande do Sul e Paraná, já solicitaram ao Mapa a antecipação desse prazo, para que possam acompanhar Santa Catarina, que é o único livre de febre aftosa sem vacinação, para que consigam acessar mercados que exigem esse status para exportação, como Japão, por exemplo.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS