close
logorovivo2

Soja tem crescimento de destaque na região do Vale do Jamari

A soja se expande em Rondônia e produtores têm acesso a tecnologias para melhorar a produção

ASSESSORIA

12 de Abril de 2018 às 15:51

Soja tem crescimento de destaque na região do Vale do Jamari

FOTO: (Divulgação)

Tanto em produção, quanto em valor de produção, a soja é o principal produto agrícola de Rondônia e a cultura está se expandindo, especialmente na região Central e Norte do estado. Segundo o pesquisador da Embrapa Rondônia, Vicente Godinho, isso ocorre devido aos melhores preços das terras nestas regiões e pela proximidade com o porto “A saca de soja em Porto Velho, por exemplo, custa no mínimo oito reais a mais do que em Vilhena. Isso por conta da diferença do frete para chegar até o porto. Esta diferença conta muito no bolso do produtor”, explica Godinho.

 

O sojicultor Fernando Di Carlos tem lavouras em três municípios da região Norte do estado e aposta na produtividade da soja em Rondônia. "Encontramos um cenário bastante favorável aqui, com áreas planas que são recomendadas para a agricultura e boa logística por estarmos próximo ao porto. São fatores que nos motivaram a vir para o estado, agora estamos nos aperfeiçoando para tentar obter uma melhor produtividade a cada colheita", conta Di Carlos, que veio com a família do Paraná há oito anos.

 

O também produtor Nereu Mezzomo, da região de Ariquemes (RO), conta que tem ampliado as áreas em que cultiva soja e está gerando renda e boas oportunidades de negócios, assim como mais emprego no campo. "Quanto mais se produz mais se gera novos empregos e uma renda maior, o que contribui em grande forma para o município e o estado. A expansão da produção na região nos motiva cada vez mais para que chegue melhores técnicas. Todo mundo ganha com isso", complementa Mezzomo.

 

Segundo dados do levantamento de janeiro de 2017 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), houve um aumento de 3,4% na área plantada de soja em Rondônia para a safra 2016/17. Além disso, no estado o grão possui produtividade média de 3.028 kg/ha (Safra 2015/16), superior à média nacional que foi de 2.870 kg/ha na mesma safra. E a expectativa para esta safra é de que a produção chegue a 811 mil toneladas de soja.

 

Para se ter ideia da expansão que vem acontecendo na região Norte do estado, nos municípios do Vale do Jamari a produção da soja aumentou mais de 70% em 2016, quando comparado ao ano anterior. Os dados mais expressivos na região foram os de Machadinho D'Oeste, em que houve aumento na produção do grão de 220% de 2015 para 2016.  "Por estar perto do porto, a saca da soja no Vale do Jamari é até R$ 6 a mais do que o grão colhido em Vilhena (RO). Então, para o produtor é mais vantajoso produzir nesta região do que nos locais mais afastados do porto", afirma o pesquisador Vicente Godinho.

 

As regiões de Rondônia com maior expansão da soja contam também com outro fator que contribui muito: o uso da soja para recuperação de pastagens degradadas. Os pecuaristas estão de olho no grão para a recuperação das áreas utilizadas para a criação de gado, por meio o sistema de integração Lavoura-pecuária. “Hoje não podemos mais abrir novas áreas então o aumento da produtividade só é possível com tecnologia e a implantação da lavoura é uma boa alternativa que a gente tem para minimizar o custo da recuperação do solo. Então hoje precisamos fazer a integração da lavoura com a pecuária com responsabilidade ambiental, com a manutenção do homem no campo produzindo mais e aumentando o estoque de alimentos para o mundo”, comenta o pecuarista Ivanir Gurgel do Amaral.

 

Godinho explica que, quando se fala em expansão da soja sobre novas áreas em Rondônia, não significa derrubar floretas, mas intensificar o sistema de produção agropecuário, tornando-o mais eficiente, produtivo e sustentável. O pesquisador conta que a soja ocupa pouco mais de 1% da área de Rondônia (260 mil hectares), que a pecuária está presente em cerca de 8 milhões de hectares e que toda a área de expansão de soja será onde hoje se pratica a pecuária. “Isso não quer dizer que haverá redução de rebanho, pelo contrário, irá aumentar. Pois os pecuaristas que integram esta atividade com a soja aumentam o rebanho, por conta da melhoria da qualidade do pasto e da intensificação do sistema de produção que ocorre”, arremata. 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS