close
logorovivo2

ENSINO SUPERIOR: Faculdades do país recebem cada vez mais alunos acima dos 50 anos

Em 2017, 73 mil estudantes nessa faixa etária entraram no primeiro ano do ensino superior

FOLHAPRESS

27 de Novembro de 2018 às 17:54

ENSINO SUPERIOR: Faculdades do país recebem cada vez mais alunos acima dos 50 anos

FOTO: (Divulgação)

Universidade não é lugar só para jovens, mas também para a turma dos cinquentões para cima. Em 2017, 73.048 alunos com 50 anos ou mais ingressaram no primeiro ano do ensino superior no país, dos quais, 62% optaram pelo ensino a distância, modalidade que tem despertado interesse dos estudantes nos últimos anos.

 

O levantamento é do Quero Bolsa, plataforma na internet para inclusão de estudantes no ensino superior. A empresa se baseou no Censo de Educação Superior 2017, realizado anualmente pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão ligado ao Ministério da Educação, e divulgado recentemente.

 

De 2010 a 2017, o número de alunos com 50 anos ou mais que entraram em faculdades cresceu 73,6%. Se observadas as modalidades de ensino, o a distância registrou alta de 162% entre este público no período, contra 9,82% do presencial.

 

Desde 2014, ano em que o governo federal reduziu a oferta de vagas no Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante), tem caído o número de alunos nessa faixa etária em cursos presenciais. Dos 73.048 universitários acima de 50 anos inscritos no primeiro ano no ano passado, 37,5% representaram essa modalidade.

 

MAIS FLEXÍVEL

 

Para Marcelo Lima, diretor de relações institucionais do Quero Bolsa, o ensino a distância, realizado pela internet, tem despertado o interesse do público acima de 50 anos por vários motivos, entre os quais, a flexibilidade do tempo e o preço mais baixo. "O aluno pode escolher o melhor horário para estudar em sua casa, além do que, em média, o valor cai 65% no valor da mensalidade", afirma Lima.

 

Afrânio Mendes Catani, professor da Faculdade de Educação da USP, diz que, a rigor, não é favorável ao ensino a distância. "Se for como primeira graduação, então, acho condenável", afirma. Mas, para os estudantes acima de 50 anos, pode ser uma opção aceitável. "Nos casos daqueles que já têm outras graduações ou mesmo visam uma aposentadoria com valor mensal melhor. Até por satisfação pessoal."

 

O MEC afirmou que apoia a educação a distância e diz que a ideia é democratizá-la. Disse que ela é inclusiva e propicia a inserção de tecnologia e novas ferramentas de aprendizagem.

 

SONHO DE JUVENTUDE

 

O fim de ano será para lá de especial para Jucineide Farias da Cruz, 54 anos, moradora no Jardim Helena, na zona leste de São Paulo. Após décadas de luta, realizará finalmente o sonho da conquista do diploma em pedagogia.

 

Nascida em Tucano, distante 252 km de Salvador (BA), a ex-funcionária do Mappin, entre outros empregos, concluirá a graduação presencial na Universidade Cruzeiro do Sul em São Miguel Paulista, zona leste da capital paulista.

 

Seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) será sobre dificuldades de aprendizagem. Mãe de quatro filhos, entre 18 e 26 anos, ela conciliou trabalho e estudo, incluindo um estágio obrigatório em escola municipal, ao longo dos últimos três anos.

 

"Sempre tive uma vida difícil financeiramente, com pais de origem humilde", diz Jucineide, ao contar que, aos 19 anos, se viu obrigada a trancar o curso de economia, ainda no segundo semestre.

 

Mais velha da turma de pedagogia, Jucineide já tem planos futuros. "Quero dar aulas para crianças de educação infantil", afirma a futura pedagoga, que acaba de ter a notícia que será avó em junho de 2019.

 

DIREITO A DISTÂNCIA

 

Ao longo da vida foram 19 profissões, entre marceneiro, torneiro mecânico, soldador e pintor, mas, futuramente, o hoje aposentado Vanderlei Sasso, 72 anos, morador na Vila Esperança, na Penha, na zona leste de São Paulo, terá uma mais que especial: advogado.

 

Para isso, basta concluir o curso de direito na Unip, onde está matriculado no ensino a distância. Ele faz o quinto semestre, ou o terceiro ano de graduação.

 

O gosto pela área de direito entrou em sua vida quando teve de provar -e provou- a união estável, ao longo de 26 anos, de sua mãe, América Leandro Sasso, com seu padrasto. Foram idas e vindas na Defensoria Pública, segundo Sasso, pai de quatro filhos e avô de sete netos.

 

Já a opção pelo ensino a distância foi por conta da mãe, hoje com 91 anos. "De casa, consigo cuidar dela e estudar com as aulas que recebo e vejo pelo computador", diz o mais experiente da turma, que, pelo menos uma vez por semana vai até o campus da faculdade.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS