close
logorovivo2

EMOÇÃO: Doada para europeus, jovem encontra família brasileira após 28 anos

A conversa com a mãe biológica foi emocionada e reveladora

SÓ NOTICIAS BOAS

18 de Maio de 2019 às 11:40

Um jovem brasileira, que foi doada para adoção quando ainda era bebê, para uma família da Holanda, reencontrou a mãe biológica e a irmãs após 28 anos.

 

A história da policial Anique Rentenaar começou Pernambuco, mas foi adotada por Mary Rentenaar, que é alemã, e por um pai holandês e seguiu com eles para a Europa, onde vive até hoje em Amsterdã.

 

Esta semana, ela finalmente ela conheceu a mãe biológica Vera Lúcia Alves, as irmãs Tamires e Taciana, e os sobrinhos.

 

A conversa com a mãe biológica foi emocionada e reveladora. A primeira coisa que Vera Lúcia fez foi pedir perdão à filha e contou que doou a menina por que ela era rejeitada do pai biológico.

 

Filha, me perdoa. Eu não vendi minha filha. Eu a dei para que ela tivesse uma vida melhor do que a minha. Eu guardei isso calada durante esses anos todos”, afirmou.

 

Anique, emocionada, disse que perdoa a mãe biológica: “ela fez o melhor para mim porque minha família adotiva me deu excelente vida”, afirmou.

 

Ao saber que Vera perdeu a mãe aos seis anos e sobreviveu a três cânceres, Anique encontrou mais uma semelhança com a família biológica e ainda terminou brincando.

 

Ela é muito forte. Eu sou policial, acho que puxei isso dela. Eu achei que tinha uma família pequena”.

 

 

 

 

 

História

 

Há um ano Anique procurava a família biológica pelo Facebook.

 

As poucas pistas eram duas fotos antigas da mãe e uma página da carteira de trabalho dela, Vera Lúcia Alves, e o da avó, Maria da Paz Alves.

 

O caso foi exibido na TV Clube/Record. Depois que a reportagem foi exibida no Balanço Geral Manhã, uma amiga da família reconheceu a mãe biológica.

 

Anique e e a mãe adotiva, Mary, conseguiram, então, marcar um encontro com a família biológica da policial.

 

A primeira a encontrá-las foi Tamires, irmã mais velha de Anique.

 

As irmãos não contiveram a emoção.

 

Ao ser perguntada como se sentia, Anique não precisou dizer muito. “Feliz, agora eu tenho uma irmã. Ela se parece comigo, o nariz, o sorriso”, falou.

 

A outra irmã, Taciana, mora na Paraíba e conheceu Anique através de ligação de vídeo.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS