close

PRESIDENTE: Bivar é alvo da PF em investigação sobre laranjal do PSL

Mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em endereços ligados ao deputado federal e presidente do partido

METROPOLES

15 de Outubro de 2019 às 08:42

PRESIDENTE: Bivar é alvo da PF em investigação sobre laranjal do PSL

FOTO: (Divulgação)

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (15/10/2019), a Operação Guinhol. São cumpridos nove mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Pernambuco em endereços ligados ao presidente do PSL e deputado federal Luciano Bivar (foto em destaque).

 

O inquérito policial foi instaurado por requisição do TRE-PE para apurar a possível prática de crimes eleitorais e associação criminosa. De acordo com as investigações, representantes locais do partido teriam ocultado, disfarçado e omitido movimentações de recursos financeiros oriundos do fundo partidário, especialmente os destinados às candidaturas de mulheres.

 

MAIS SOBRE O ASSUNTO

 

 

Ao menos 30% dos valores do fundo deveriam ser empregados na campanha das concorrentes do sexo feminino. Segundo a PF, há indícios de que tais valores foram aplicados de forma fictícia, com o objetivo de desviar os valores para livre aplicação do partido e de seus gestores.

 

O nome da Operação Guinhol faz referência a um marionete, personagem do teatro de fantoches criado no Século XIX, diante da possibilidade de as candidatas terem sido utilizadas exclusivamente para movimentar transações financeiras escusas.

 

Crise no PSL


A operação ocorre em meio à crise entre o PSL e o presidente Jair Bolsonaro, que ameaça deixar a sigla por desavenças sobre o fundo partidário e o controle do partido. Nessa segunda-feira (14/10/2019), o chefe do Executivo nacional se reuniu com os advogados Admar Gonzaga e Karina Kufa, que auxiliam na busca de soluções para Bolsonaro e grupo de apoiadores dentro da legenda.

 

Ao ser questionado sobre o encontro, o mandatário do país se limitou a responder: “Problema particular”. Na semana passada, os próprios advogados informaram que representam o presidente no embate contra a sigla. Karina Kufa, antes de assumir o lado de Bolsonaro, advogava para o PSL e acabou demitida pela legenda.

 

A aliados, o dirigente nacional do partido, o deputado federal Luciano Bivar, justificou a demissão alegando ter havido “quebra de confiança” na advogada eleitoral. A crise com o PSL teve início com declarações de Bolsonaro feitas a um apoiador em conversa na porta do Palácio da Alvorada. O chefe do Executivo disse ao admirador para “esquecer o PSL” e não divulgar vídeo sobre Bivar porque ele estaria “queimado”.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS