close
logorovivo2

Seis erros que os concurseiros cometem e ninguém fala

Os equívocos vão muito além de ignorar as notificações do celular.

METRÓPOLES

16 de Julho de 2018 às 15:15

Seis erros que os concurseiros cometem e ninguém fala

FOTO: (Divulgação)

Na cultura do brasileiro, fazer sempre foi mais importante do que planejar. Há uma crença comum de que decidir antecipadamente as ações é perda de tempo e, para muitos concurseiros, existe um agravante: com tantas matérias para estudar, planejar assemelha-se mais a uma tortura antecipada do que à definição de estratégia, o que de fato é.

 

Conheça os seis erros mais comuns cometidos quando o assunto é gestão de tempo. Os equívocos vão muito além de ignorar as notificações do celular.

 

Os sintomas indesejados da má gestão do tempo são bem conhecidos dos candidatos ao serviço público: ansiedade, frustração e procrastinação. O desafio é encontrar as melhores práticas para fazer a preparação para as provas caber na rotina, causando o menor transtorno possível.

 

Quando se fala de planejamento, a primeira (talvez, única) imagem que se faz é de uma grade horária como as da época da escola primária, quando não havia qualquer negociação e autonomia.

 

O primeiro erro começa exatamente neste ponto: a construção de um horário com referências infantis, ou seja, que não leva em consideração que, ao contrário do que ocorria na época do ensino fundamental e médio, os compromissos, as responsabilidades e os papéis de um adulto são mais numerosos. Mesmo para aqueles concurseiros que “só estudam”.

 

Sem flexibilidade e adaptação semanal – e até diária – a probabilidade é que o plano criado, a grade definida, não sejam cumpridos como desejado. Resultado: mais frustração. A saída é tomar decisões antes, estrategicamente, e renegociá-las conforme os dias passam, sempre que necessário.

 

O entusiasmo em assumir o compromisso de ser um concurseiro empenhado também pode ser prejudicial e levar ao segundo e terceiro erros dessa lista. O estado emocional no momento planejado é diferente do estado emocional do momento de execução. Corriqueiramente, somente é levando em consideração o tempo que acredita ter como disponível, ignorando as habilidades pessoais necessárias para que o que foi previsto se torne uma ação efetiva.

 

O hábito de estudar por várias horas, a motivação e as disposições física e emocional são alguns do pontos deixados de lado na hora de preencher a grade e que, também, podem levar ao fracasso do planejamento. Aliás, o terceiro erro diz respeito exatamente à percepção distorcida do tempo, contabilizando horas de dedicação que não existem.

 

Um concurseiro que trabalhe oito horas por dia e chegue em casa às 19h e vá dormir às 23h, acredita que tem quatro horas para estudar. Não tem. Durante esse tempo, muito provavelmente, ele irá tomar banho, jantar, dar atenção a quem divide a casa com ele – ainda que mínima -, para, só então, preparar o ambiente e começar a estudar. Ao contrário de admitir que, de fato, possui três horas disponíveis nesse exemplo hipotético, mantém o costume de se cobrar e se sentir inferior por não cumprir a ilusão das quatro horas pensadas.

 

 

“Horas líquidas”


O duelo contra o relógio também está presente no quarto erro: a contabilidade de “horas líquidas”, quando só se considera o tempo efetivamente estudado e se desvia o foco da qualidade do aprendizado para o cronômetro e para a definição de objetivos quantitativos inflexíveis. Esse aspecto é altamente falível e, por consequência, termina em sofrimento.

 

Todo o processo que envolve preparação: desde a organização da mesa de estudo até o copo de água extra buscado da cozinha, fazem parte do tempo dedicado. Não há total desconexão, pelo contrário, espera-se que a ambientação e a pequena pausa contribuam para as reflexões e para a dedicação na qualidade de que se aprende.

 

Para aqueles que têm uma atitude um pouco mais avançada, a ponto de se lançar no desafio de metas semanais cuja métrica são as horas estudadas, segue o quinto erro. O padrão é ter um único e inegociável objetivo como obrigação de cumprir. Em vez de inspirador, já nasce autopunitivo, como se não bastasse toda a necessidade de esforço pelo aprendizado em si.

 

Estabelecer objetivos em três patamares motiva e estimula o desafio, especialmente se houver retribuições ao atingi-los. Em vez de uma quantidade fixa, inegociável, a proposta é estabelecer três patamares. O primeiro, com uma quantidade mínima que atenda à sensação de manutenção do compromisso, seguida do que se deseja alcançar como regra (objetivo ideal) e, por fim, o que irá criar um senso de superação (objetivo além do ideal). Para cada um deles, uma recompensa.

 

O último e sexto erro da lista não é exclusividade dos concurseiros, mas de todos que tentam melhorar a relação com as 24 horas de cada dia. Trata-se da insistência em acreditar que não existirão imprevistos, de que nada sairá do planejado. O que, obviamente, não é verdade. A maneira mais adequada de se prevenir desse erro é deixar 30% da agenda livre. Caso não seja necessário dispor dessa reserva, melhor. Assim terá um momento para relaxar ou investir em algum outro projeto.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS