close
logorovivo2

Viriato Moura: interseção entre arte, literatura e medicina

“Hospital deve lembrar saúde e vida, e não doença e morte”, afirmou o médico artista

CONEXAOBOASNOTICIAS.COM.BR

27 de Abril de 2018 às 14:05

Viriato Moura: interseção entre arte, literatura e medicina

FOTO: (Divulgação)

Médico e empresário na área da saúde, Viriato Moura não esconde o seu amor pelas artes. O Hospital Central (de sua propriedade) transformou-se em uma galeria de artes com as telas de sua autoria e de sua esposa, Ana Christina Gondim Moura, expostas nos corredores, salas de recepção e ambulatórios, tirando o ar meláncólico que costuma existir nas unidades hospitalares.

 

“Hospital deve lembrar saúde, e vida e não doença e morte”, afirmou o médico artista. Viriato já publicou dez obras e vem aumentando os números em um curto intervalo de tempo. Em 2010 criou uma nova proposta estilística para as artes visuais.

 

Médico especialista em Ortopedia, Traumatologia, Medicina do Esporte e Medicina do Trabalho, aprendeu a conciliar as funções. Viriato José da Silva Moura é natural de Xapuri, no estado do Acre, mas adotou Porto Velho, com morada. A cidade já foi tema de um dos seus livros, ‘Rio de Histórias’, em parceria com a professora Yêdda Borzacov e com o médico Samuel Castiel.

“Dedico parte dos meus dias há muitas décadas à medicina e a administrar o Hospital Central. Até que chegou um momento e eu decidi que precisava também me dedicar mais às artes e à literatura. A partir de então, passei a produzir mais no campo das artes visuais e também na literatura. Em agosto de 2016 intensifiquei mais esse trabalho”, explicou.

 

Entre as obras já publicadas estão ‘Haicais Mutantes’, ‘Doses Mínimas de Máximas: 300 Reflexões de um Médico’, ‘Ritual de Catarse: Poesia como Terapia’, ‘Labirinto com Rota de Saída’, entre outros. O escritor também é membro da Academia de Letras de Rondônia.

 

O artista, após longa pesquisa a respeito das escolas estilísticas, desenvlvolveu o planimorfismo. O método é inspirado na geometria plana euclidiana. Nos desenhos coloridos, o abandono das curvas chama atenção.

 

“O planimorfismo rompe com esse paradigma dependente da curva e dela se liberta de modo radical e definitivo. E prova, com isso, que é, sim, possível produzir emoções estéticas utilizando formas que ao tempo que são rígidas em suas partes, os planos, adquire contexto sedutor e poético quando integrado a outros planos concorrentes”, descreveu Viriato Moura.

 

As obras do artista já ganharam as páginas de uma revista especializada do Rio de Janeiro, de circulação internacional.

 

Jornalista Emília Araújo

 

 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS