close
logorovivo2

CULTURA POPULAR: Confira a coluna "Lenha na Fogueira", por Zékatraca

Veja as últimas relacionadas a cultura.

ZÉKATRACA

26 de Setembro de 2018 às 15:58

CULTURA POPULAR: Confira a coluna "Lenha na Fogueira", por Zékatraca

FOTO: (Divulgação)

E a falta de respeito para com a CULTURA POPULAR de Porto Velho, continua! A turma que milita no segmento folclore, quase se mata, na tentativa de fazer a prefeitura, via Guilherme Erse solicitar ao grafiteiro, que pintou os bois Caprichoso de Parintins e Flor do Campo de Guajará Mirim, no Viaduto da Três e Meio e o resultado, pelo menos até o meio dia de ontem, não tinha surgido efeito nenhum.

 

**********

 

Pelo contrário, o grafiteiro fez ouvido de mercador, e ao em vez de rever a falta de respeito para com os grupos de bumbas de Porto Velho, apagou a Estrela do Caprichoso e pintou a Lua do Malhadinho de Guajará Mirim.

 

**********

 

Agora piorou, pois está lá na parede interna do Viaduto, a figura dos dois bumbas de Guajará Mirim, ou seja. O interessante foi que o Guilherme Erse fez uma transmissão ao vivo na tarde de segunda feira, diretamente da frente da pintura dos bois do Duelo da Fronteira, que já não existe há quatro anos.

 

*********

 

Conversou com o Diretor do Departamento da Juventude Municipal elogiando o Projeto o que concordamos, e anunciou se dizendo surpreso, que estava emocionado com a Pintura do rosto do seu pai Moreira Mendes. Por sinal homenagem merecida.

 

**********

 

Acontece que o presidente da Federon Fernando Rocha, havia postado naquela tarde, no Grupo de wattsap da Federon que havia conversado com o Guilherme Erse sobre o problema com a pintura dos bois e, segundo Fernando Rocha, Guilherme lhe prometeu que naquela tarde (de segunda feira), iria conversar com os grafiteiros para que eles apagassem das testas dos bumbas, os símbolos do Boi de Parintins e o símbolo do Boi de Guajará.

 

*********

 

Ou o Guilherme não soube explicar, ou o grafiteiro resolveu homenagear os bois de Guajará por sua conta. Se for assim, porque ele não vai grafitar no Portal de Entrada da cidade de Guajará Mirim. Aqui é Porto Velho e Porto Velho tem seus grupos de bois bumbás.

 

*********

 

E aí Simone Guedes presidente da Guarnecer? E aí Fernando Rocha presidente da Federon que agora está sendo questionado, sobre uma EMENDA PARLAMENTAR que uma deputada federal colocou nos seus panfletos de propaganda, que destinou ao FLOR DO MARACUJÁ deste ano?

 

**********

 

Cadê o dinheiro dessa EMENDA Fernando, Severino, Silfarney e todos da Federon. A deputada colocou mesmo essa emenda e vocês estão escondendo o jogo. Ou é mentira da deputada? Os folcloristas querem saber a verdade!

 

*********

 

Por falar em deputada federal, os colegas que se dizem articulistas políticos, parecem estão com viseira de “cavalo”. Só olham para a ponta do nariz e esquecem de olhar os arredores.

 

********

 

Eles só falam que o fulano de tal deve se eleger deputado estadual ou federal e pouco falam das candidatas mulheres.

 

********

 

Pois bem! No meu humilde entendimento, esse será o pleito que mais vai eleger DEPUTADA FEDERAL.

 

*********

 

Pelo menos cinco candidatas, têm chance real de se elegerem deputadas.

 

*********

 

As duas campeãs de voto, na eleição passada Marinha Rap e Mariana Carvalho; Elas podem até não conseguir a expressiva votação do passado, mas, se elegerão com certeza!

 

********

 

Jaqueline Cassol! É a candidata favorita da cúpula do partido PP e com certeza, será muito bem votada, Acho que se elege.

 

********

 

Silvia do PDT também é a candidata favorita da direção do seu partido e com isso, conta com todo apoio da cúpula. Além do que, é queridíssima pela população de Ji Paraná e região.

 

********

 

Se o marido transferir voto, a candidata Hosana Capixaba está no páreo e pode vir eleita deputada federal pela região de Cacoal, Pimenta, Espigão D’Oeste etc.

 

*********

 

Se isso acontecer, restarão apenas três “Cadeiras” para os candidatos do sexo masculino. Já pensou!

 

 

Palco Giratório apresenta

Espetáculo Entrepartidas
 

O Projeto Palco Giratório do Sesc vai apresentar às 17 horas desta quarta feira 26, em frente à Unidade Esplanada de Porto Velho, a rua Presidente Dutra, o espetáculo “Entrepartidas” com o Grupo Teatro do Concreto (DF).

 

 

Sinopse

 

No inicio da noite a cidade se move como um complexo organismo. É hora do embarque! O público toma um ônibus e viaja pelas ruas da cidade onde conhece diversos personagens que se equilibram no fio do tempo, lembrando-nos que a vida é feita de encontros e instantes. Um espetáculo que fala, sobretudo, daquilo que é efêmero, chegadas e partidas, saudades, desejos, possibilidades, vida e morte. A viagem pela cidade como pretexto para viajar pelas ruas da cidade de si mesmo. Este espetáculo é resultado de dois anos de pesquisa do Teatro do Concreto sobre o tema “amor e abandono na sociedade contemporânea” e foi agraciado com os prêmios de melhor espetáculo, direção, dramaturgia e ator no Prêmio Sesc de Teatro Candango 2011.

 

 

Pensamento Giratório

 

Arte e espaço urbano: possíveis (des)programações do existente. A prática artística no espaço urbano implica no estabelecimento de diferentes diálogos com a cidade contemporânea. Um campo de reflexão que ultrapassa as artes cênicas e mobiliza arquitetos, urbanistas, antropólogos, geógrafos, ativistas etc. Nesse encontro, o Teatro do Concreto compartilha suas experiências e reflexões sobre o tema em diálogo com outras áreas do conhecimento.

 

 

Ficha Técnica

 

Direção: Francis Wilker

Dramaturgia: Jonathan Andrade

Assistentes de direção: Ivone Oliveira e Aline Seabra 

Elenco: Adilson Dias, Diogo Vanelli, Gleide Firmino, Giselle Ziviank, Jhony Gomantos,  Luiza Guimarães, Maria Eugênia Félix, Micheli Santini e Nei Cirqueira Desenho de luz: Diego Bresani e Higor Filipe Figurinos: Eduardo Barón, Hugo Cabral e Júlia Gonzales Coordenador técnico: Higor Filipe

Coordenação administrativa: Ivone Oliveira 

Produção: Tatiana Carvalhedo – Carvalhedo Produções

 

 

Fotografias: Thiago Sabino e Diego Bresani

 

 

 

MP-RO

 

Exposição no Porto Velho Shopping

Sobre a EFMM em Cores
 

Com o objetivo de compartilhar a história do Estado de Rondônia com a sociedade, o Ministério Público do Estado de Rondônia promove no período de 2 a 31 de outubro, no Porto Velho Shopping, a exposição “Ferrovia em Cores”, que apresenta fotos antigas da Estrada de Ferro Madeira Mamoré,  colorizadas por Luis Claro de Souza. O evento marca também a passagem de aniversário de 104 anos do aniversário de criação do município de Porto Velho.

 

A abertura oficial da exposição será no dia 2 de outubro, às 16 horas, na Galeria de Artes do Porto Velho Shopping, no 2º piso da expansão. São 52 fotos, originalmente preto e branco e que já estão em domínio público, restauradas e colorizadas por computação gráfica. O acervo também contempla fotos de bairros que fazem parte da história da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, como o Caiari.

 

A exposição faz parte do Projeto MP Cultural, que tem entre seus objetivos promover o acesso à Cultura; promover ações em parceria com instituições para a difusão da arte e cultura; promover oportunidades de exposição e publicação de trabalhos artísticos; difundir manifestações culturais de origens étnicas e regionais e promover saraus, shows, exposições e outros eventos culturais.


 

História de Porto Velho
 

Oficializada em 2 de outubro de 1914, Porto Velho foi criada por desbravadores por volta de 1907, durante a construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. Em plena Floresta Amazônica, e inserida na maior bacia hidrográfica do mundo, onde os rios ainda governam a vida dos homens, é a Capital do estado de Rondônia. Fica nas barrancas da margem direita do rio Madeira, o maior afluente da margem direita do rio Amazonas.

 

Desde meados do século XIX, nos primeiros movimentos para construir uma ferrovia que possibilitasse superar o trecho encachoeirado do rio Madeira (cerca de 380 km) e dar vazão à borracha produzida na Bolívia e na região de Guajará-Mirim, a localidade escolhida para construção do porto onde o caucho seria transbordado para os navios seguindo então para a Europa e os EUA, foi Santo Antônio do Madeira, província de Mato Grosso.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS