close
logorovivo2

DISCÓRDIA: Soldados da Borracha criticam monumento feito em homenagem à categoria

Para eles, faltou a Prefeitura de Porto Velho ouvi-los sobre o assunto

ASSESSORIA

24 de Outubro de 2018 às 17:58

DISCÓRDIA: Soldados da Borracha criticam monumento feito em homenagem à categoria

FOTO: (Assessoria)

A Fundação Cultural de Porto Velho não se manifestou a respeito do monumento em homenagem aos soldados da borracha e seringueiros da Amazônia, já cravado entre às Avenidas Nações Unidas e Amazonas, no bairro Nossa Senhora das Graças, em Porto Velho.

 

Uma reportagem, sobre o assunto “viralizou” na mídia, não obteve na Funcultural, presidida pelo museólogo Antônio Ocampo, informações sobre o projeto da estátua construída à revelia dos homenageados ou a respeito de valores pagos.

 

Até essa quarta-feira (24), só havia a confirmação que o prefeito da cidade irá inaugurar o monumento, mesmo a despeito dos protestos dos soldados da borracha e seringueiros convocados e recrutados no governo de Getúlio Vargas, e que não aceitam uma imagem à semelhança de um suposto gaúcho.

 

O presidente do Sindicato do Sindicato dos Soldados da Borracha e Seringueiros da Amazônia (SINDSBOR), em Rondônia, José Romão Grande, 96 anos, natural da cidade de Parnaíba(PI), disse que o monumento foi construído à revelia deles. Bastante indignado, reprovou a iniciativa do prefeito por não ter consultado os mais interessados, os soldados da borracha e seringueiros.

 

Romão disse, ainda, que Ocampo, por já ter ocupado várias pastas e cargos na gestão pública, deve saber muito bem que os soldados da borracha e seringueiros têm uma categoria organizada com sede em Rondônia.

 

Para o presidente do Sindsbor, por falta de semelhança, a estátua vem sendo objeto de piadas. “Isso na cidade e em Brasília, onde temos sido homenageados na qualidade de Heróis da Pátria cujos nomes estão inscritos no Panteão da Pátria”, afirmou.

 

Ele contou que a categoria está preocupada com a situação. “Isso por conta e risco desse mau exemplo dado pela Fundação Cultural que insiste em meter nossa goela a baixo um verdadeiro monstrengo de ferro e concreto”, enfatizou.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS