close
logorovivo2

ELEIÇÃO: Debate da RedeTV! tem foco em economia e "sermão" de Marina em Bolsonaro

Apesar das investidas do PT na Justiça, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não participou do encontro

UOL

18 de Agosto de 2018 às 09:25

ELEIÇÃO: Debate da RedeTV! tem foco em economia e "sermão" de Marina em Bolsonaro

FOTO: (Divulgação)

Temáticas da área econômica, como impostos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) do teto de gastos e o desemprego no Brasil foram o foco do segundo debate entre os candidatos à Presidência da República, realizado pela RedeTV! na noite desta sexta-feira (17).

 

Apesar das investidas do PT na Justiça, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não participou do encontro. A RedeTV! informou que deixaria um púlpito vazio com o nome de Lula, mas não o fez. Em nota lida no início do encontro, a emissora informou que retirou o púlpito destinado ao ex-presidente a pedido de sete dos oito candidatos presentes. Apenas Guilherme Boulos (PSOL) foi contra.

 

Além de Boulos, outros sete candidatos participaram do debate: Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede).

 

O tom entre os candidatos foi elevado durante boa parte do encontro, que teve, no total, quatro blocos. O bate-boca mais forte foi protagonizado no terceiro deles, quando Marina Silva (Rede) enfrentou o concorrente Jair Bolsonaro (PSL), dizendo que ele acredita poder resolver os problemas do Brasil, como a desigualdade salarial entre gêneros e a segurança pública, "no grito e na violência".

 

"Você acha que pode resolver tudo no grito, na violência. Nós somos mães, nós educamos os nossos filhos. A coisa que uma mãe mais quer é ver um filho sendo educado para ser um cidadão de bem. E você fica ensinando para os nossos jovens que têm de resolver as coisas na base do grito, Bolsonaro. Você é um deputado, você é pai de família. Você um dia desses pegou a mãozinha de uma criança e ensinou como é que se faz para atirar", afirmou.

 

Ciro x Alckmin

 

Logo em sua primeira oportunidade de confronto direto, Ciro Gomes (PDT) optou por questionar o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). Os dois então passaram a discutir, ao longo do debate, sobre temas específicos da área econômica.

 

"O senhor esteve a favor dessa emenda [a PEC do teto de gastos] e eu fui contra. Nós estamos aqui, respeitosamente, nada pessoal, discutindo a concepção de país. O senhor, eleito presidente da República, revogaria ou manteria esse teto dos gastos?", perguntou Ciro.

 

Alckmin, então, afirmou que a emenda existe porque as contas públicas "estouraram todas no período do PT". Apesar disso, ele disse que "o problema não é a PEC do teto", mas sim que é preciso "reduzir o tamanho do Estado".

 

Na ocasião em que Alckmin pôde escolher quem confrontaria, o tucano retribuiu e escolheu Ciro: "vou voltar à questão da economia".

 

Foi quando os candidatos, mesmo que cordialmente, se desentenderam quanto à autoria de uma proposta tributária. Alckmin afirmou que, caso seja eleito, vai unificar cinco impostos em um só, o IVA (Imposto sobre o valor agregado).

 

Ciro logo respondeu: "Corria o ano de 95, eu escrevi o livro e propus o IVA no Brasil. Acho que, na literatura, foi a primeira vez. As lideranças de São Paulo ficaram contra a vida inteira, e eu compreendo".

 

No segundo bloco do debate, quando respondia a uma pergunta do jornalista Reinaldo Azevedo, Alckmin retomou o embate: "Olha, primeiro fazer aqui uma observação sobre a colocação do Ciro Gomes. E dizer que nós somos favoráveis ao ICMS no destino. Aliás, o somos desde a época do Mário Covas".

 

Embates entre Boulos e Meirelles

 

Guilherme Boulos (PSOL) e Henrique Meirelles (MDB) também protagonizaram momentos de embate intensos e trocaram até acusações pessoais.

 

Perguntado por Boulos sobre escândalos de corrupção em seu partido e se manteria "essa prática de trocar ministério por voto no Congresso", Meirelles disse que todos os grandes partidos têm problemas graves. O ex-ministro da Fazenda do presidente Michel Temer (MDB) afirmou ainda ter nomeado um "time dos sonhos", com pessoas "de competência e de preparo técnico", quando liderou a pasta.

 

"Esse "time dos sonhos" que você fala virou o time do pesadelo para o povo brasileiro, porque você era ministro até o mês passado, e o desemprego está em 14 milhões de pessoas", acusou Boulos.

 

Meirelles rebateu, dizendo que sua equipe "criou milhões de emprego no Brasil", e acrescentou: "Criou milhões de empregos para quem de fato trabalha, não é? Não é para apenas para quem faz agitação e procura ocupar terra de outras pessoas que trabalharam duro, não é verdade?", em referência à militância de Boulos no MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

 

Boulos utilizou alguns segundos de sua fala em outro momento do debate para responder Meirelles: "Quero dizer que eu não sou banqueiro, eu sou professor, escrevo, e ganho minha vida honestamente. Luto ao lado dos sem-teto com muito orgulho há 17 anos, de quem precisa de casa. Estou junto com sem-teto, com sem-terra, só não estou junto com sem-vergonha como alguns aqui estão".

 

Saúde, educação e segurança

 

Apesar de serem mencionados pelos candidatos, temas como saúde, educação e segurança pública não tiveram destaque ao longo do debate. Foram poucas as propostas específicas para essas áreas trazidas por eles.

 

"O problema da nossa nação chama-se gestão. Gestão e política pública. Eu quero dizer a você que está me ouvindo, cidadão brasileiro, povo brasileiro, você tem direito à educação, a saúde, a alimentação, ao trabalho, ao transporte, ao lazer", disse Cabo Daciolo.

 

O candidato Jair Bolsonaro voltou a dizer que irá combater o que chama de "ideologia de gênero" e "partidarização" em sala de aula e afirmou que pretende militarizar as escolas do ensino fundamental.

 

"O dinheiro sempre vai ser apertado. No próximo governo, no outro, governar é escolher, e nós vamos priorizar a educação, educação básica, priorizar a saúde, meu dever até como médico, e a segurança pública. E trazer investimento privado para a infraestrutura do nosso país, que vai gerar muito emprego, e rapidamente", afirmou Alckmin.

 

Já Guilherme Boulos disse que irá resolver o problema da segurança pública no Brasil investindo em inteligência e investigação. "Nós vamos fazer isso, e vamos fazer enfrentando o crime organizado de verdade. Porque vamos falar a verdade aqui para o povo brasileiro: o crime organizado, o comando dele, não está no barraco de nenhuma favela, está mais perto da praça dos Três Poderes do que da favela da Rocinha".

 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS