close

Porto Velho: Modernidade sem Velhos Hábitos - Por Professor Nazareno

Conhecida orgulhosamente como a "Cidade das Hidrelétricas", a cidade nunca registrou falta de energia. Todo santo dia os porto-velhenses desligam por conta própria seus disjuntores só para conhecer o que é um apagão. E se por um acaso isto acontecer, na p

DA REDAÇÃO

21 de Novembro de 2010 às 10:45

Porto Velho: Modernidade sem Velhos Hábitos - Por Professor Nazareno

FOTO: (Divulgação)

Porto Velho: Modernidade sem Velhos Hábitos (01)
 
 
Professor Nazareno*
 
 
            Já ouvi muita gente dizer que Porto Velho é o fim do mundo. Quanta injustiça se afirmar isto. É claro que aqui não acontecem coisas do "arco da velha", não há a menor dúvida. Embalada pela construção de duas usinas hidrelétricas para a produção de energia apenas para beneficiar os Estados do sul do país e achando que vão ganhar o paraíso em troca, muitos dos habitantes locais se orgulham deste feito inusitado. Com uma população de aproximadamente 410 mil habitantes, segundo o último censo do IBGE, o fato é que em pleno século vinte e um a capital dos rondonienses já é uma cidade moderna, bem planejada, limpa, sem carestia e que oferece tudo de moderno para os seus moradores. Daqui ninguém quer "picar a mula" e a felicidade é geral. Que bom.
            Conhecida orgulhosamente como a "Cidade das Hidrelétricas", a cidade nunca registrou falta de energia. Todo santo dia os porto-velhenses desligam por conta própria seus disjuntores só para conhecer o que é um apagão. E se por um acaso isto acontecer, na primeira reclamação tudo é resolvido na hora. Não é qualquer chuvinha de fim de tarde que faz a Ceron interromper a oferta de luz elétrica. Para os outros, nada. Para os rondonienses, tudo. Ficamos felizes com a grande e irreversível devastação do nosso meio ambiente causada pela construção das usinas do Madeira. O progresso veio para ficar e é nosso amigo. O atendimento nas lojas faz inveja a qualquer um. Nos postos de gasolina, os frentistas correm atrás dos motoristas para poder abastecer mais rápido.
            Em Porto Velho, as transmissões de televisão ainda são feitas do modo tradicional. E o povão adora. Enquanto na maioria das capitais e cidades de grande porte do país já se convive com esta tecnologia há mais de dois anos, aqui a televisão digital é um mimo inacessível para muitos moradores. Apenas uma única emissora já se livrou da imagem analógica. Mas ninguém aceita, já que quase toda a programação exibida nas principais redes de televisão são gravações que os telespectadores vêem uma ou duas horas depois que já exibiram no resto do país. Bancos existem na cidade e também têm caixas eletrônicos. O gozado é que sempre nos finais de semana eles nunca funcionam. "Fim de semana é para descansar e não para se preocupar com saques em dinheiro".        
            A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos de Porto Velho é referência. Geralmente entrega as contas de final de mês com dois, três ou mais dias adiantadas. O cidadão de Porto Velho, que paga seus impostos em dia, não sofre "o pão que diabo amassou" se quiser quitar suas contas sem juros e correção. Pela Internet é bem melhor: não há lentidão, e nunca há cabos de fibra ótica sendo consertados. Nos caixas eletrônicos é a opção predileta, pois eles estão sempre disponíveis e funcionando perfeitamente. Nas lotéricas é também muito bom por que não há falta de energia nem muita gente "fazendo uma fezinha". Porto Velho já tem as coisas que o mundo civilizado tem, e aqui elas funcionam muito bem e só dão tranqüilidades ao cidadão.
            O Transporte coletivo é uma beleza. Duas horas é o tempo médio de espera numa parada de ônibus. Isso é muito bom para colocar as amizades em dia. Ninguém reclama. As autoridades resolveram o "nó" do trânsito com o serviço de mototáxi e viadutos enquanto as passarelas servem para ser observadas pelos transeuntes que passam por baixo delas. Alugar uma casa limpinha ou um bom apartamento é quase de graça. Nem se compara ao preço de um flat à beira-mar ou na paradisíaca Serra Gaúcha. O único Shopping Center da cidade ainda tem uma madeireira no pátio e é um lugar moderno que não convive com assaltos nem registra violência. Esta madeireira é puro marketing e sinaliza que a modernidade chegou, está ali bem ao lado, mas precisa respirar um passado romântico e saudoso. E disseram que Porto Velho não precisava mudar. Se isto aqui não for um lugar abençoado por Deus, é a morada do Próprio.
 
 
*Leciona em Porto Velho.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS