close

CARROSSEL: Protegido por foro privilegiado Hildon Chaves não é investigado

O superintendente da PF, Caio Pellim, disse que as apurações continuam e que outros nomes podem surgir no decorrer dos trabalhos

RONDONIAOVIVO - JOÃO PAULO PRUDÊNCIO

4 de Setembro de 2019 às 15:55

CARROSSEL: Protegido por foro privilegiado Hildon Chaves não é investigado

FOTO: (Divulgação)

O prefeito de Porto Velho Hildon Chaves não está entre os indiciados nesta primeira fase da Operação Carrossel, que detectou, através de investigação da Polícia Federal, fraudes nos contratos de serviço de transporte escolar promovidos com Prefeitura de Porto Velho.

 

A operação, deflagrada na manhã desta quarta-feira (4), prendeu o ex-secretário de Educação, Cesár Licório e mais quatro pessoas, que de acordo com a Polícia Federal, estão envolvidas no esquema.

 

VEJA MAIS

 

CARROSSEL: Ex-secretário e Superintendente de Hildon Chaves são presos pela PF

 

CARROSSEL: PF deflagra operação para combater desvio de recursos públicos na Semed

 

CARROSSEL: Operação na Prefeitura de Porto Velho tem 5 mandados de prisão

 

CARROSSEL: Hildon Chaves ainda não se manifestou sobre operação da Polícia Federal

 

CARROSSEL: Principal assessor de Hildon Chaves chega na SEMED, PF ainda no local

 

CARROSSEL: Superintendente da CGU diz que crise do transporte não foi culpa da operação Ciranda

 

De acordo com o Superintendente da Polícia Federal em Rondônia, Caio Rodrigo Pellim, o prefeito Hildon Chaves goza da prerrogativa de foro privilegiado e sua investigação teria de ser autorizada pelo Tribunal Regional Federal – TRF, uma vez que se trata de danos ao erário federal.

 

O prefeito Hildon Chaves não está entre os indiciados e não foi investigado, pois tem a prerrogativa do foro. Porém, as investigações continuam e qualquer apontamento que levem a outros nomes será considerado pela PF”, afirmou Pellim.

 

Segundo a Constituição Federal, os prefeitos deverão ser julgados pelo Tribunal de Justiça se o crime for de competência da Justiça Estadual. Se for da competência da Justiça Federal, será julgado pelo TRF e se for da Justiça Eleitoral, pelo Tribunal Regional Eleitoral. Este é o entendimento sumulado do STF.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS