close
logorovivo2

OUTRO LADO: Homem que estuprou evangélico após sair de igreja diz que "ato foi consensual"

Denunciado foi preso em sítio no distrito da Cascalheira

FOLHA DO SUL ONLINE

24 de Setembro de 2018 às 14:56

OUTRO LADO: Homem que estuprou evangélico após sair de igreja diz que "ato foi consensual"

FOTO: (Divulgação)

Foi preso e trazido para a Unisp de Vilhena, o homem de 43 anos, acusado de violentar sexualmente um rapaz de 18 anos num sítio do distrito da Cascalheira na madrugada de ontem (domingo, 23).



A reportagem apurou que o jovem havia saído de casa na noite anterior, em companhia de um amigo de 15 anos. Após assistirem  culto numa igreja evangélica, os dois garotos teriam ido participar de um aniversário que estava acontecendo num sítio próximo.



Após o evento, o rapaz foi dormir na casa do amigo, onde havia várias pessoas. Ocupando uma cama próxima, o acusado começou a exibir vídeos pornográficos para a vítima e a acariciá-la. Na sequência, o vilhenense puxou o garoto e fez sexo com ele no local. Segundo disse o rapaz em seu depoimento, o ato teria sido forçado, caracterizando o abuso.



Após a relação sexual, a vítima, em estado de choque, saiu do quarto alegando que iria beber água, e chamou o amigo, a quem contou o que tinha acontecido, seguindo para casa logo depois. Lá, relatou tudo aos pais, e a mãe dele ligou para a PM de Vilhena, que por sua vez acionou uma patrulha de Nova Conquista, responsável pelo policiamento na Cascalheira.



Na casa onde teria acontecido o crime, já de madrugada, os policiais deram voz de prisão ao acusado, que precisou ser algemado. Tanto o suposto abusador, quanto a vítima e sua mãe, foram trazidos para a Unisp de Vilhena.



Segundo informações obtidas pela reportagem, os exames feitos não encontraram a presença de esperma no corpo da vítima. Mas, aos policiais que o prenderam, o homem denunciado teria admitido o ato, garantindo, porém, que ele teria sido “consensual”.
 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS