close
logorovivo2

TEATRO DE CEREJEIRAS: Obra volta a andar, mas decisão de Bolsonaro dificulta término

Governo federal cortou verbas para a cultura, mas promete concluir obras inacabadas

FOLHA DO SUL ONLINE

15 de Março de 2019 às 11:42

TEATRO DE CEREJEIRAS: Obra volta a andar, mas decisão de Bolsonaro dificulta término

FOTO: (Divulgação)



A obra de construção do teatro municipal de Cerejeiras, que estava paralisada desde o ano passado, voltou a andar. Há um mês, funcionários da empresa contratada pelo poder público municipal estão trabalhando na cobertura do prédio. A reportagem do jornal esteve no teatro na manhã desta quinta-feira, 14, e encontrou dois funcionários trabalhando na obra.



Segundo apurações deste site, no entanto, a obra não será concluída agora. O trabalho dos funcionários que estão no local se limitará apenas à cobertura do teatro, “e mais alguns detalhes”, conforme informou um servidor da prefeitura.


Para concluir de fato a obra, será necessária uma despesa de R$ 600 mil, de acordo com o secretário Finanças de Cerejeiras, Valdir Carlos. O senador recém-empossado Marcos Rogério (DEM) destinou uma emenda neste exato valor para a obra, mas o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), cortou todos os investimentos do governo federal para a cultura. Por isso, a verba para a obra não será liberada, pois a emenda do senador rondoniense foi solicitada ao Ministério da Cultura.



Até o momento, já foram investidos mais de R$ 1 milhão na construção do teatro. A verba foi destinada para a obra pelo ex-senador Valdir Raupp (MDB) em 2015.



Há cerca de dois anos, a então deputada federal Marinha Raupp (MDB) destinou uma emenda de R$ 400 mil para a compra do mobiliário para o teatro. A reportagem do FOLHA apurou que a compra dos móveis está em andamento, já que a verba para a mobília foi liberada.



No ano passado, a empresa contratada para a obra faliu. A reportagem do site não conseguiu apurar se a empresa que recomeçou a obra agora é a mesma que abriu falência.



Com todos estes percalços, as autoridades públicas cerejeirenses tentam concluir a obra. A prefeita Lisete Marth (PV), nas duas vezes que esteve em Brasília, em fevereiro e março, tentou conseguir a verba de R$ 600 mil para o término do teatro.  A solução, uma vez que o Ministério da Cultura não liberará mais verbas, será tentar em outro ministério. “Se por um lado o presidente Bolsonaro cortou a verba para cultura, por outro ele decidiu concluir todas as obras inacabadas no Brasil. A nossa esperança é aproveitar esta vontade do governo federal em concluir as obras em andamento”, disse Valdir Carlos, titular da Secretaria Municipal de Finanças de Cerejeiras.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS