close
logorovivo2

Uma casta golpista, antipovo e criminosa: juiz do MT recebeu R$ 503 mil de 'salário' em agosto

Carmen Lucia determinou investigação de supersalários nos três poderes em agosto

DA REDAÇÃO

18 de Dezembro de 2017 às 09:57

Uma casta golpista, antipovo e criminosa: juiz do MT recebeu R$ 503 mil de 'salário' em agosto

FOTO: (Divulgação)

Enquanto os brasileiros passam fome, famílias perdem suas casas, e as universidades federais mínguam sem dinheiro, as castas judiciais continuam oferecendo ao país um espetáculo de luxo só comparável aos aristocratas do antigo regime francês.

A justiça brasileira é a instituição mais corrupta de todas.

E vem dela as agressões mais perigosas contra a vontade popular, em especial os esforços para aniquilar as pretensões eleitorais do representante político preferido pela maioria esmagadora das famílias humildes.

A gestão de Carmen Lucia à frente da presidência do STF, por sua vez, é vergonhosa, como aliás tem sido todas as gestões nos últimos anos.
 
Um corporativismo doentio, imoral e covarde tem igualado todos os juízes de tribunais superiores.

Cármen Lúcia diz que nem todo pagamento acima do teto a juízes é ilegal e lança a expressão “verdade remuneratória”
 
Postado em 18 de novembro de 2017 às 6:11 am
Do Poder360:

A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Carmén Lúcia, disse que é necessário identificar casos de supersalários em todos nos Três Poderes, não apenas no Judiciário. A declaração foi feita em entrevista à Globo News, divulgada neste domingo (17.dez.2017).

A ministra, como presidente do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) determinou em agosto que o órgão começasse 1 “pente fino” nas folhas de pagamento de todos os magistrados do país.

A medida foi tomada após o surgimento de suspeitas de irregularidades a 84 juízes do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Entre eles, o juiz Mirko Vicenzo Giannotte, que recebeu R$ 503 mil em julho. Ao Poder360, Giannotte defendeu adicionais ao salário por situações como uma emboscada com jararaca.

Desde então, tribunais de Justiça de todos os Estados devem enviar ao conselho cópias do contracheque dos magistrados 5 dias após a liberação do pagamento mensal. No entanto, várias Cortes ignoraram a determinação.

A ministra disse que é preciso identificar a “verdade remuneratória”. Saber como os supersalários impactam as folhas de pagamento e o que providências tomar. “É basicamente promover o saneamento”, falou Carmén Lúcia.

À Globo News, a presidente do Supremo disse que “nem todo pagamento abaixo do teto necessariamente seja legal”. Segundo Carmén Lúcia, pode haver vencimentos dentro do limite constitucional, mas sem base legal.

“Por outro lado, nem sempre o que está acima do teto, se tomar 1 dado só, por exemplo o vencimento de 1 mês que tenha gratificação natalina ela pode, somada, chegar ao extra-teto e não é ilegal”, diz. 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS