close

EMBOSCADA VERMELHA: Homicídios prende membros do CV que mataram rival

Um dos presos foi encontrado com uma escopeta e um colete balístico

RONDONIAOVIVO

6 de Junho de 2019 às 07:07

EMBOSCADA VERMELHA: Homicídios prende membros do CV que mataram rival

FOTO: (Richard Nunes /Rondoniaovivo)

A Polícia Civil, através da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Vida (DECCV) deflagrou na manhã desta quinta-feira (06) a Operação Emboscada Vermelha, para prender acusados da execução a tiros de Wellington Marinho Cordeiro dos Santos, 18, crime ocorrido no dia 16 de abril deste ano na praça poliesportiva localizada na Avenida Mamoré com José Vieira Caúla, bairro Esperança da Comunidade, zona Leste de Porto Velho (RO).

 

A operação foi realizada no condomínio Orgulho do Madeira, onde foi preso Paulo Henrique A. B., 27. Já na zona Sul de Porto Velho, em uma residência na Rua Tucuruí, bairro Cidade Nova foi preso Vanderlei C. M., 30, vulgo "Overdose". Na casa dele os policiais apreenderam uma escopeta calibre 28 e um colete balístico.

 

Outros dois envolvidos no assassinato, Jaedson V. S., 19, e Leivisson F. S., 23,  já tinham sido presos por policiais da Homicídios. Segundo as investigações, o crime foi motivado porque a quadrilha do Comando Vermelho suspeitava que a vítima fosse da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). A  jovem Hiasmin C. S., vulgo "Morena Problemática" também não foi localizada. Ela também teria participação no crime. A mulher já está com o segundo mandado de prisão, sendo que o primeiro foi expedido na Operação Conselho Final, também deflagrada pela DECCV.

O autor do disparo que matou Wellington teria sido o vulgo Overdose e os outros envolvidos deram apoio em um automóvel modelo Corsa.

 

EMBOSCADA VERMELHA: Homicídios prende membros do CV que mataram rival
EMBOSCADA VERMELHA: Homicídios prende membros do CV que mataram rival
EMBOSCADA VERMELHA: Homicídios prende membros do CV que mataram rival
*Aos leitores, ler com atenção*

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS