close
logorovivo2

O dia D antes da eleição e o injusto fundo partidário para as mulheres

POR SÉRGIO PIRES

17 de Setembro de 2018 às 16:59

Há algumas nuances que se destacarão, daqui para a frente, nesse curto período eleitoral de 2018 e, ainda, dificuldades a serem superadas dentro das coligações. Uma envolve os prazos pré eleitorais, que agendam para essa segunda, dia 17, uma data muito especial. Outra é a gritaria, dentro dos grupos políticos, pela divisão do bolo do Fundo Partidário. Em relação aos prazos, destaca-se essa segunda-feira como último dia  para que a Justiça Eleitoral decida sobre todos os pedidos de impugnação e para que os partidos substituam seus candidatos, caso eles estejam impedidos de disputar a eleição.  Há ainda muito rolo, tanto nas coligações como em candidaturas individuais, para que todos tenham o aval do TRE e estejam aptos a disputar a eleição de 7 de outubro. Dos nove candidatos ao Governo, por exemplo, já houve três  impugnações. A de Acir Gurgacz, do PDT, já revertida por instância superior, no TSE, fazendo com que a campanha dele continue normalmente; a do Comendador Queiroz, do PMB, que também está recorrendo e a do representante do PSTU, Pedro Nazareno, ambos com dificuldades mais complexas, porque têm problemas com documentação e prazos. E isso, por incrível que pareça, pode ser mais difícil de reverter do que uma decisão sobre a  Lei da Ficha Limpa. Há ainda uma confusão sobre a questão de uma aliança feita pelo PDT com o PT, que acabou sendo desfeita por decisão do diretório nacional do PT, mas que ainda está sendo analisada no TRE. Enfim, este 17 de setembro é o Dia D. Depois, são só mais 20 dias até a eleição.

 

Enquanto isso, fervem os bastidores. Há uma grita geral, principalmente nas coligações com mais grana,  em relação à divisão do bolo do Fundo Partidário, que tem deixando de lado muitos candidatos dos que não fazem parte do primeiro time. Os novatos, então, estão vivendo a míngua, enquanto os que são os mais poderosos, nos partidos, ficam com a fatia do rei. Há casos em que mulheres, que deveriam receber parte de um valor que represente 30 por cento de todo o bolo financeiro, estão pegando apenas merrecas, para tocarem suas campanhas. Ainda assim, com alguma dificuldade e visível má vontade dos que decidem sobre o dinheiro. Numa das principais coligações, as reclamações têm sido constantes, inclusive entre algumas das mulheres candidatas, que, decididamente, não estão recebendo sua parte corretamente, para tocarem suas campanhas em frente. É bom que a Justiça Eleitoral fique de olho, para que não haja injustiças e que as mulheres sejam tratadas como merecem. E que não sejam chamadas só para fazer número e apenas cumprirem  exigência da legislação eleitoral. É bom que as que se sintam prejudicadas, denunciem o assunto, usando os canais competentes. Ligar para o número 148, é um bom caminho. Não silenciem!

 

 

 

 

CIRO VAPT VUPT

 

Foi meteórica, tipo vapt vupt, a passagem de Ciro Gomes por Porto  Velho, nessa sexta. O avião que o trouxe de São Paulo atrasou mais de duas horas e meia e, para não perder outros compromissos no Acre, no Amazonas e em Belém, o presidenciável teve que cortar praticamente toda a sua agenda. Muitos admiradores que foram ao aeroporto recebê-lo, desistiram, pela demora. Outros tantos deixaram de ir à Praça das Caixas D´Água, onde ele permaneceu apenas por alguns minutos. A coincidência de seu encontro com  Daniel Pereira, no aeroporto Jorge Teixeira, colocou o Governador na comitiva do candidato, em sua rápida estada na Capital. Ciro Gomes também cancelou entrevistas e até sua participação no programa dos Dinossauros do Rádio, o Papo de Redação, na Parecis FM. Com o pouco tempo que terá ainda de campanha (pouco mais de 20 dias), o candidato do PDT não deve voltar por aqui antes de 7 de outubro. Viria provavelmente, apenas se for para o segundo turno. Irá?

 

 

RAUPP SAI ILESO, OUTRA VEZ!

 

Partidários, amigos e eleitores do senador Valdir Raupp comemoraram, com o próprio, mais uma vitória na Justiça. O ministro Edson Fachin mandou arquivar um dos mais pesados processos em que o rondoniense estava sendo citado como envolvido, num esquema de recebimento ilegal de recursos, por suposta interferência em contatos da BR Distribuidora. Esse é apenas mais um dos inquéritos contra Raupp, que foram arquivados ou em que ele foi inocentado. Um dos personagens mais antigos da política rondoniense e também um dos mais influentes, tendo inclusive sido presidente nacional do maior partido do país, o hoje MDB, Raupp tem muitos seguidores, mas também muitos inimigos. Seus adversários comemoraram as denúncias contra ele, fartamente comentadas na mídia. Todas as absolvições ou arquivamentos, contudo, tiveram e continuam tendo repercussão pífia. Não há como santificar o senador – ou qualquer político – porque, pelo contrário, exige-se que todas as denúncias sejam investigadas e os culpados exemplarmente punidos. Mas quando o cara responde a vários processos e em todos ou é absolvido ou o caso é arquivado, há que se comentar, sob pena de se cometer grande injustiça.

 

 

OS CABELOS DO GOVERNADOR

 

O governador Daniel Pereira salvou os ralos cabelos que ainda têm. Claro que é só uma brincadeira, mas resume o alívio que ele e toda a sua equipe sentiram, na sexta, com  a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, em determinar o parcelamento, em 24 pagamentos, do acumulado de 126 milhões de reais, atrasados, que o Estado tem que pagar, em relação à dívida do Beron. A União exigia que todo esse dinheiro fosse pago numa só vez, enquanto o Estado reivindicava um parcelamento, para que não corresse o risco de ficar inadimplente e para não acabar colocando em risco outros compromissos, incluindo até eventuais gastos com o funcionalismo. Toda a equipe e governo, principalmente das áreas da procuradoria e da Sefin, se envolveram no caso, capitaneados pelo chefe do governo.  No fim, Daniel comemorou, dizendo que a decisão é um alívio para o Estado, “porque na conjuntura econômica do país não há unidade que possa efetuar um pagamento desta magnitude. Na medida que Rondônia como bom pagador que é, quer manter os pagamentos, porém dentro de um limite prudencial”. Isso significa que não há mais risco de bloqueio das contas do Estado e que tudo será pago normalmente, incluindo-se aí, em dia, o pagamento dos servidores. Então, salvaram-se os cofres do Estado.  E os poucos cabelos do Governador, que estavam prestes a serem perdidos...

 

 

NÃO EXISTE UMA VÍTIMA ESPECIAL

 

Nos primeiros seis meses do ano, um total de 26.126 pessoas foram assassinadas no Brasil. Foram 4.354 mortes violentas por mês; mais de 145 por dia, seis por hora. Menos de 10 por cento desses casos foram solucionados, os criminosos descobertos e processados. É a mesma média de todos os últimos anos. Rondônia é exceção nesse contexto, porque soluciona a maioria dos crimes violentos. Está muito acima da média nacional. A grande mídia, contudo, no geral ignora esses números. Cobra pouco a solução de tantos assassinatos, de tanta violência, de tantos crimes impunes. Mas grita (e faz notícia quase todos os dias), exigindo que a morte da vereadora carioca do PSOL, Marielle Franco, ocorrido em março passado, seja esclarecido com urgência.  Mulher, homossexual, negra e ativista política, Marielle é um prato cheio para a esquerda que domina as redações. Mais que tudo, ela era um ser humano, trabalhadora, batalhadora. Mas isso não conta. O que interessa é a ideologia, que domina os noticiários. Claro que não há nenhuma gritaria por tantos Joãos e Marias que são exterminados. Mas quando é uma figura que se encaixa no modelo hipócrita da esquerda, daí o caso tem que ter um tratamento diferenciado. Que se exija que os assassinatos de Marielle e do seu motorista sejam imediatamente esclarecidos, é claro. Mas que se faça o mesmo com todos os demais 21.125 brasileiros mortos só nesse ano. Uma morte não é mais importante que qualquer outra, seja quem for o morto.

 

 

E A GRÁVIDA VOLTOU...

 

O chefe da Casa Civil do governo, o ex deputado Eurípedes Miranda, confirmou que foi tornado sem efeito decreto assinado pelo governador Daniel Pereira, que tinha exonerado de seu cargo a diretora do Museu da Memória de Rondônia, Ednair Nascimento, a Morena da Cultura, como ficou conhecida no movimento cultural. Uma briga interna entre ela e o comando da área, teria causado o pedido de exoneração. Uma intensa boataria na mídia, afirmava que a demissão tinha sido decidida por causa de uma entrevista que ela concedera ao G1, da Globo, criticando alguns problemas do Museu. Segundo Miranda, nada disso é verdade. O pedido veio do comando da área, entrou na vala comum dos documentos e foi assinado. Pouco depois, Daniel Pereira foi informado de detalhes do assunto e inclusive que a diretora estava grávida de oito meses. Imediatamente ele determinou que a exoneração fosse revertida e tornada sem efeito. Ou seja, Ednair está de volta, normalmente, às suas atividades e só sairá dela, em breve, para ter seu bebê. Foi um mal entendido, corrigido tão logo se soube dos detalhes. Fim do caso...

 

 

O BRASIL NA DIREÇÃO DO ABISMO?

 

A última pesquisa DataFolha, registrada no TSE e com resultados anunciados na sexta à noite, confirmam Jair Bolsonaro no segundo turno, mas deixam grandes dúvidas sobre quem irá com ele para a reta final da disputa presidencial. A principal surpresa foi o salto de Fernando Haddad, agora o candidato oficial do PT, que cresceu cinco pontos. Ciro Gomes ficou também nos 13 pontos, como Haddad, mas ao que parece, pode ter chegado ao seu limite. Assim como Geraldo Alkmin, que continua empacado nos 9 pontos e Marina Silva, que começou a viagem ladeira abaixo e que, pelo jeito, pode começar a pensar em outras alternativas para sua carreira política, porque a Presidência não vai dar! No final das contas, pode acontecer o pior dos quadros: dois extremistas irem para o segundo turno. Com Jair Bolsonaro não se sabe o que poderá acontecer, embora se possa imaginar. Mas com Fernando Haddad, com o PT, com Lula e a ladroagem toda dos últimos anos, sabemos muito bem o que acontecerá com nosso país: confrontos e o sepultamento de uma Nação, pois caminharemos céleres em direção ao abismo, como a Venezuela. Quem puder, que comece a fazer documentação e planejar a vida em outro país, porque aqui...

 

 

PERGUNTINHA

 

Se você fosse ouvido pelos pesquisadores do Ibope, que estão nas ruas ouvindo eleitores, em quem você diria que vai votar para Presidente da República, Governador e Senador, em Rondônia? 

 

 

 

MAIS COLUNAS

Sérgio Pires

Colaborador do Gentedeopinião: Sérgio Pires, experiente jornalista e que atua na SIC TV e diariamente apresenta o "PAPO DE REDAÇÃO" na rádio Parecis FM.

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS