close
logorovivo2

LEI COMPLEMENTAR: Deputados não votam 'lei das consignações' e servidores saem frustrados da ALE

A alteração da lei beneficia os servidores, pois abre margem na folha de pagamento para o desconto consignado de seguro, plano de saúde, entre outros

ASSESSORIA - SINDAFISCO

20 de Junho de 2018 às 15:29

LEI COMPLEMENTAR: Deputados não votam 'lei das consignações' e servidores saem frustrados da ALE

FOTO: (Assessoria - Sindafisco)

Diretores dos sindicatos Sintero, Sindafisco, Sindsaúde, Sindler, Sintraer e Sinderon foram até a Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE) nesta quarta-feira, 20, para acompanhar a votação do Projeto de Lei Complementar nº 219/18 e Mensagem nº 113/18, que tratam das consignações facultativas do servidor público, mas sem explicação os deputados retiraram de pauta e não realizaram a votação.

 

A alteração da lei beneficia os servidores, pois abre margem na folha de pagamento para o desconto consignado de seguro, plano de saúde, entre outros, já que atualmente a consignação possui uma margem muito estreita, o que prejudica as categorias. O Projeto de Lei Complementar já foi aprovado em primeira votação

 

"Na terça-feira à tarde, estivemos com os deputados e recebemos a notícia que o projeto já estava em pauta e seria votado nesta quarta-feira. Mas fomos surpreendidos com a retirada do projeto da pauta sem explicações e sem nenhuma previsão para nova votação", disse Mauro Roberto, secretário geral do Sindicato dos Auditores Fiscais de Tributos Estaduais de Rondônia (SINDAFISCO).

 

Enquanto o projeto não for votado, milhares de servidores permanecem sem cobertura dos planos de saúde e seguro. Inclusive, dezenas de famílias já tiveram sinistros negados, acarretando danos irreparáveis. Os representantes dos sindicatos estão convocando os servidores para se manterem mobilizados.

 

“Vamos buscar saber o porquê de o projeto ter sido tirado da pauta de votação. Esse projeto é de extrema importância para os servidores do Estado. Vamos continuar mobilizados em busca da aprovação”, reforçou Caio Marin, presidente do Sindicado dos Trabalhadores em Saúde de Rondônia (SINDSAÚDE).

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS